Obra de Arte como Investimento - O Investimento



O Investimento Obras de arte são itens carregados de expressão, emoção e crítica, e é certo que trazem sofisticação a qualquer ambiente. Mas além de um carimbo da história e um deleite aos olhos, você já pensou nelas como uma opção de investimento?


Quando falamos em investimento, geralmente pensamos em mercados tradicionais, como aplicações em instituições financeiras, corretoras ou bolsas de valores. Contudo, existe, além destas, uma


opção que comumente escapa a memória dos investidores: obras de arte. Apesar da maioria das pessoas saberem que as grandes obras podem ter grande valor monetário, poucos são os que exploram este mercado. E é justamente por isso que o investidor que opta por estudá-lo e ampliar sua carteira é inteligente e diversificado!


A primeira coisa a se considerar ao tomar a decisão de se tornar um investidor de arte é compreender a natureza do investimento. Investir em arte nem sempre é um mercado de retorno rápido. Isto é, apesar do potencial de alta rentabilidade, é preciso que o investidor entenda que está fazendo um investimento de médio a longo prazo, mas que pode valer muito a pena.


Assim como todo investimento que se pretende fazer, o mercado da arte deve ser estudado pelo investidor, afinal também tem seus riscos. São vários os tipos de obras, as técnicas utilizadas, os materiais aplicados e os artistas. E para que se possa fazer um investimento mais assertivo, é necessário conhecer o máximo possível sobre o universo que o permeia, sendo imprescindível dedicar-se a visitas a galerias, bienais, exposições e feiras, além de conectar-se com profissionais especializados em curadoria e avaliação de obras de arte.


Neste sentido, é impossível pensar qualquer investimento atualmente sem considerar o fator da pandemia de Covid-19. O ano de 2020 causou um grande impacto negativo na indústria artística, gerando uma queda de 22% nas vendas de obra de arte e antiguidades. Entretanto, o investidor pode alimentar suas esperanças, pois novas plataformas de exposição e galerias virtuais surgem a cada dia, e a atual baixa no mercado pode ser o momento ideal para fazer ótimos investimentos!


O estudo sobre investimento em arte envolve também conhecer mais sobre o próprio mercado, para que se possa traçar estratégias de investimento viáveis e seguras. Se você é um investidor iniciante, por exemplo, leilões podem ser muito arriscados. Outra questão a se analisar ao investir em obras de arte é a confiabilidade das obras e o resguardo do seu patrimônio. É sempre necessário conferir a procedência das galerias, a autenticidade dos artistas e toda a documentação que deve acompanhar o seu novo investimento, para que você não caia em golpes e falsificações. Neste sentido, evite também obras que sejam objeto de pendências judiciais – você não vai querer esta dor de cabeça.


Ainda sobre segurança, é interessante pesquisar o currículo e as referências do seu curador de arte, para garantir que ele estará sempre visando o seu melhor interesse e atento para as melhores oportunidades. Além disso, é muito importante buscar por uma corretora de seguros especializada no assunto para assegurar que seu novo bem estará resguardado contra qualquer incidente. Ah, e não se esqueça de ficar sempre atento às normas tributárias! Ninguém quer ter problemas com o leão, não é mesmo?

Aposto que despertamos no investidor que existe em você o interesse em investir em obras de arte, não?